DocBrasil Especial – retrospectiva Thomas Farkas na Fundação Cultural Badesc (julho de 2011)

30/06/2011

Thomaz Farkas (1924-2011)

Recebi do José Rafael Mamigonian. Divulgo porque a programação é interessantíssima.

Abaixo a mensagem dele, seguida da programação:

Neste mês de julho, teremos uma programação especial do DocBrasil onde exibiremos uma retrospectiva integral dos documentários produzidos por Thomaz Farkas.

Trata-se de um conjunto de filmes verdadeiramente incontornável não apenas para a compreensão das manifestações populares no Brasil, como para que conheçamos uma das obras mais íntegras, em seu conjunto, da história do documentário brasileiro.

À exceção de “Viramundo”, todos os filmes terão exibição única e estarão distribuídos ao longo de oito sessões (em 8 dias) durante todo o mês de julho (principalmente às quintas e sextas feiras). A programação inicia-se já neste dia primeiro (amanhã) com filmes dirigidos por Thomaz Farkas, além de um breve documentário sobre ele, dirigido por Walter Lima Jr.

Espero que possam estar presentes na Fundação Cultural Badesc para acompanhar o DocBrasil Especial deste mês. Agradeço se puderem repassar este convite aos seus contatos.

Em anexo está a programação.

abraços, até breve,
José Rafael Mamigonian

A Fundação Cultural Badesc tem a honra de apresentar em julho uma programação especial de documentários com a exibição integral dos filmes produzidos por Thomaz Farkas. Ele disse certa vez que “o filme documentário, porque é uma interpretação e não simplesmente uma descrição do real, pode representar um papel importante no processo cultural. No Brasil, ele adquire um significado mais amplo ainda quando se pensa nas distâncias, não somente geográficas mas também culturais. Como apresentar as diferentes manifestações culturais, ligadas a uma realidade especifica em cada região do país, senão através do filme documentário?” Os filmes que Thomaz Farkas produziu e fotografou nas décadas de 1960 e 1970, e os que realizou na década seguinte, obedecem a este impulso: percorrer mais rapidamente as distâncias culturais e geográficas do país.

 

 

 

 O QUÊ: DocBrasil Especial – “Homenagem a Thomaz Farkas”

 QUANDO: dias 1o, 7, 8, 14, 15, 20, 22, 29 de julho de 2011, às 19 horas        

 ONDE: Fundação Cultural Badesc. Rua Visconde de Ouro Preto,

               216, Centro, Florianópolis, fone (48) 3224-8846

  QUANTO: Entrada franca

  CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA: LIVRE

Programação

 

 

 

 

Sessão 1 – Thomaz Farkas, documentários

Sexta-feira, 1o de julho de 2011  –  tempo total: 111 minutos

 

Thomaz Farkas, Brasileiro  (dir: Wallter Lima Jr., 2004, 15’)

Curta-metragem que homenageia Thomaz Farkas, o húngaro que, nos anos 1970, tornou-se um dos maiores fotógrafos do nosso país e que, com sua visão muito particular do Brasil, foi capaz de produzir, ao lado de Geraldo Sarno e outros grandes diretores da época, uma série de documentários intitulada “A Condição Brasileira”.

Hermeto, Campeão  (dir: Thomaz Farkas, 1981, 44′)

Fotografias apresentam Hermeto Paschoal em meio aos instrumentos que toca no estúdio em sua casa. Os ensaios onde os sons são descobertos e o improviso dá o tom. Depoimentos de Hermeto sobre a construção autodidata de seu conhecimento teórico sobre música e sua posição política sobre o mercado. Os músicos que integram a sua banda falam sobre o processo conjunto de criação e a admiração que sentem pelo multiinstrumentalista. A criação de Hermeto a partir do sons das abelhas e junto aos sapos. A utilização de objetos inusitados feitos de ferro e o uso do próprio corpo para a geração de novos sons.

Paraiso, Juarez  (dir: Thomaz Farkas, 1971, 6′)

O artista Juarez Paraíso percorre o saguão de entrada do Cinema Tupi, na Baixada dos Sapateiros em Salvador, explicando os elementos que compõem seu trabalho. Construída em 1968, a obra é composta por intervenções no teto e por um grande mural que traz como tema a evolução dos meios de comunicação entre os homens. Matéria do Jornal da Bahia denuncia a retirada do trabalho por um engenheiro, com o objetivo de ceder lugar para a fixação dos cartazes dos filmes da semana.

Todomundo  (dir: Thomaz Farkas, 1980, 35′)

As torcidas de futebol e sua presença nos jogos do Campeonato Brasileiro. A chegada dos torcedores aos estádios, as charangas nas arquibancadas, o problema da superlotação, a ação dos cambistas e a presença da Polícia Militar. O jogo entre o Clube Atlético Mineiro e o São Paulo Futebol Clube pela final do Campeonato Brasileiro de 1977. Momentos de jogo entre a Seleção Brasileira e a Seleção Paraguaia.

Pixinguinha e a Velha Guarda do Samba  (dir: Thomaz Farkas e Ricardo Dias, 1954-2006, 10′)

Em abril de 1954, no Parque do Ibirapuera, e em razão dos festejos do IV Centenário da cidade de São Paulo, Thomaz Farkas filmou uma apresentação de Pixinguinha com grandes nomes do samba carioca. Este material foi reencontrado 50 anos depois.

À continuação, as demais sessões, com filmes de outros diretores, programadas para o mês de julho de 2011:

Continue lendo »


Camisetas Sistema de Animação: boa pedida para um natal tropical (e o ano todo)

24/12/2009

para ampliar, clique sobre a imagem

Recebi do Alan Langdon e divulgo, com vontade de reservar logo uma:

Camisetas SISTEMA DE ANIMAÇÃO já à venda!

Não comprou ainda aquele presente de natal? Já estão à venda as camisetas do premiado documentário “Sistema de Animação” sobre Toucinho Batera. Elas custam R$20 e vêm em duas cores, então presenteie a si mesmo(a) ou algum(a) sortudo(a): basta ir até as lojas abaixo!

Nessas lojas você também encontra os inusitados DVDs “Pintô Sujêra: Jubileu de Prata do Camelô” e “O FIM DO MUNDO – Edição DeLuxo”!

Saiba mais sobre o Pintô Sujêra no site www.PintoSujera.com.br

Saiba mais sobre o Sistema de Animação no site www.SistemaDeAnimacao.com.br

ONDE COMPRAR:


Roots Records (http://www.rootsrecords.com.br)

Centro Comercial ARS – Florianopolis SC   (48) 32221134


Cérebro (http://www.bulhorgia.com.br/cerebro/)

Rua Tenente Silveira, 111 – Galeria Parthenon – Sala 202 – Subsolo

Fpolis, SC    (48) 3206-8071


Maciço, documentário revelador da vida nos morros, tem exibição hoje

30/09/2009
clique na imagem para acessar blog do doc

clique na imagem para acessar blog do doc

Leia: Documentário Maciço ilumina morros da Ilha

Visite: Blog do documentário

Assista: Entrevista em vídeo com Pedro MC

Veja: Série de fotografias em que aparecem algumas das pessoas retratadas no filme, durante uma exibição do próprio este ano.

O QUÊ: Exibição do documentário Maciço, dirigido por Pedro MC.

QUANDO: Hoje, quarta-feira 30 de setembro de 2009, às 18h.

ONDE: No CEART, da UDESC (campus no limite entre Santa Mônica e Itacorubi, ao final da Madre Benvenuta).

QUANTO: Grátis. Entrada franca.

CONTATO: pedromc77@gmail.com


Zenaide e o Pedacinho do Céu

14/09/2009

Agora o micro-doc está também no YouTube. Já estava há meses disponível no banco de cultura do Overmundo.

A Dona Zenaide é uma figura pitoresca. Já a conhecia de outras idas ao Pedacinho do Céu, e na última perguntei se ela aceitaria falar algo em um minuto e meio. O limite temporal foi definido pela capacidade do cartão de memória. A profusão de histórias que ela tem me motivou a descarregar o primeiro trecho e logo o segundo. Foram, ao final, três micro amostras do potencial da dona Zenaide como personagem de documentário. Inspiração para tomar coragem e publicar este vídeo foi a série Micro-docs, publicada no Overmundo pelo colaborador Matyeu.

Zenaide tem perfil, também, no site do Museu da Pessoa.

Autoria Felipe Obrer
Ficha Técnica Vídeo produzido com câmera fotográfica digital. Importam mais o conteúdo e o movimento do que a concentração de pixels. O material humano, primordial quando se trata de documentários, é rico, e isso basta. 

Optei, na edição, por não cortar nada. Usei os cortes impostos pela memória da máquina.


Fotografias do lançamento do documentário ENTRELINHAS

05/09/2009


_MG_4861, upload feito originalmente por Felipe Obrer.

O lançamento do documentário Entrelinhas aconteceu no dia 4 de setembro de 2009, na Fundação Cultural Badesc, em duas sessões gratuitas, às 19h e às 21h, entremeadas por debate e coquetel (ou cocktail).

Ninguém usava black-tie.

Quanto a babar na gravata, nada é garantido.

Veja 33 fotografias:

Álbum

Apresentação de slides


Cineclube Rogério Sganzerla exibe documentário mineiro NOS OLHOS DE MARIQUINHA

01/09/2009

Cineclube Rogério Sganzerla (Divulgação)

Nos olhos de Mariquinha (Divulgação)

O QUÊ: Exibição do documentário Nos olhos de Mariquinha. Logo depois da exibição, debate com as realizadoras Claudia Mesquita e Júnia Torres

QUANDO: Nesta quinta-feira, 3 de agosto de 2009, às 18h30

ONDE: No auditório do prédio B do CCE da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina).

QUANTO: Grátis. Entrada franca.

CONTATO: www.cineclube.ufsc.br

Cineclube Rogério Sganzerla apresenta:

Nos olhos de Mariquinha

Com Maria Ribeiro dos Reis
Direção: Claudia Mesquita e Júnia Torres
Fotografia: Anna Karina Bartolomeu
Som direto: Pedro Aspahan
Montagem: Claudia Mesquita, Pedro Aspahan e Júnia Torres
80 minutos

Tendo como fio da narrativa e personagem central Dona Mariquinha, antiga moradora da Vila Nossa Senhora de Fátima (uma das comunidades que compõem a Favela da Serra, em Belo Horizonte), o documentário traça um perfil desta senhora que traz consigo a história deste espaço, desde os primeiros anos de sua ocupação. Personagem emblemática de transformações urbanas ocorridas durante o último meio século na capital, Dona Mariquinha, tendo escolhido a realidade muitas vezes dura da cidade à exploração do trabalho no campo, criou neste lugar sua família e aí experimentou outros papéis, atuando ativamente nos movimentos de moradia, sendo locutora de um programa de rádio, vivendo, enfim, a transformação do lugar e da cidade.


Lançamento, em duas sessões gratuitas, do documentário ENTRELINHAS

30/08/2009
para ampliar, clique na imagem

para ampliar, clique na imagem

Assim como aconteceu com MACIÇO, documentário anterior de Pedro MC, as exibições serão seguidas de debate, o que é louvável. A Fundação Cultural Badesc, mesmo não tendo um espaço amplíssimo, é um ambiente bem propício para boas exibições. O chão é de madeira.

O QUÊ: Exibição do Documentário ENTRELINHAS, de Letícia Cardoso e Pedro MC

QUANDO: Sexta-feira, 4 de Setembro de 2009

ONDE: Fundação Cultural Badesc (Rua Visconde de Ouro Preto, 216, Centro, Florianópolis) Fone 3224.8846

HORÁRIO: Primeira Sessão 19h / Debate 20h / 2ª Sessão 21h

DEBATEDORES: José Geraldo Couto e Maria Cristina Riesinger Pereira

ENTRADA: Gratuita

INFORMAÇÕES: Website: http://entrelinhasdoc.tumblr.com

E-mail: entrelinhas.doc@gmail.com
Pedro MC  | pedromc@terra.com.br  |  8405.5375 / 3025.5375
Letícia Cardoso  |  cardoleticia@gmail.com  |   9926.4224 / 3025.5066

Abaixo, texto de divulgação produzido pelos diretores:

Continue lendo »


Programa REALIDADE do Curta às 6 Petrobras e estreia do doc PALAVRA (EN)CANTADA no Sol da Terra

03/07/2009
clique na imagem para ampliar

clique na imagem para ampliar

Curta às 6: entrada franca todos os dias às 18h.

Palavra (en)cantada: R$ 10 inteira e R$ 5 meia, às 19h


Sistema de Animação ganha prêmio FILME LIVRE!

28/04/2009
clique na imagem para acessar o site do documentário

clique na imagem para acessar o site do documentário

O documentário que retrata Toicinho Batera (Lourival José Galliani), dirigido por Guilherme Ledoux e Alan Langdon, acumulou anteontem (dia 26 de abril) mais um prêmio. E o Toicinho ganhou o prêmio de melhor personagem. Não conheço os competidores, mas aposto que o resultado foi justíssimo.

Leia entrevista dos diretores Guilherme Ledoux e Alan Langdon.

O texto do site da Mostra do Filme Livre 2009:

“Premiados na MFL 2009

Na noite de domingo, 26 de abril, numa lotada sala de cinema do CCBB Rio, aconteceu a sessão premiada da oitava edição da Mostra do Filme Livre. Na categoria FILME LIVRE!, focada em filmes realizados sem apoio estatal direto, o grande destaque na definição do júri foi o longa-metragem “SISTEMA DE ANIMAÇÃO”, de Alan Langdon e Guilherme Ledoux, de Santa Catarina, pois:

“As pessoas são mais importantes que o cinema”. Essa frase de John Cassavetes justifica o prêmio dado não só ao filme, Sistema de Animação, mas também ao personagem principal (…). Com uma estrutura simples e dinâmica o filme cativa não só pelo carisma de Lourival, mas especialmente por sua postura marginal, íntegra e autêntica com relação à indústria cultural e ao mercado das artes. Um artista livre, um filme livre, uma história de amor livre. Uma ode à loucura e à liberdade genuína dos loucos.” (Gabriel Sanna, júri da MFL 2009)

e porque “com o dito boom do documentário no Brasil, temos assistido a uma proliferação de filmes sobre os assuntos mais diversos. Mas quantos deles guardamos no espírito quando saímos da sala? Quantos deles podem se orgulhar de revelar de fato algo do mundo com graça e propriedade? E quantos deles são capazes de realmente compreender seus personagens e deixar a imagem fundir-se a ele e a seu mundo? Sistema de Animação não é, portanto, um “documentário”, é um filme livre que passeia pelo universo mítico de Toicinho, este fantástico sujeito que revira o mundo diante de nós, durante os minutos que dura a projeção.” (Tatiana Monassa, júri da MFL 2009)

Assim, também foi concedido o prêmio especial do Júri para ´Toicinho`, personagem do filme ´Sistema de Animação`”

…………………………..

Fico muito contente ao saber do prêmio.

Conheço o Toicinho há cerca de 8, 9 anos, e acompanhei algumas das mudanças que a vida dele passou nos últimos tempos. A pessoa retratada no documentário é fenomenal, mas o Toicinho em pessoa é um documentário a cada cinco minutos de convivência.

Sistema de Animação é o produto final extraído de mais de 40 horas de material bruto. O processo de edição deve ter sido longo e trabalhoso. Lembro de ter cruzado com o Guilherme Ledoux e batido papo no ônibus, há uns quatro anos, e o filme estava em processo. Aliás, vale salientar que o vínculo afetivo com o Toicinho, que facilitou enormemente as coisas, partiu do Ledoux. Alan Langdon, como amigo dele e artista dedicado ao audiovisual, entrou como parceiro no projeto. Que aconteceu de maneira pouco burocrática. Os caras fizeram o filme do jeito que queriam. Ficou pronto em outubro de 2008.

Assisti à pré-estréia e virei fã confesso do Sistema de Animação. Depois fui ao lançamento também, que teve apresentação dos diretores e do Toicinho, shows ao final (com Nenê entre os músicos) e confraternização num bar pra encerrar a noite. Que pra mim culminou na carona até a casa do Toicinho. Acabei dormindo no quarto dos fundos lá. Não era a primeira vez que eu acabava pernoitando na casa dele. A primeira foi na casa do Ribeirão da Ilha ainda, em que a energia elétrica funcionava, coerente com a profissão do morador, a bateria. Mas essa de carro. A outra ocupava a sala conjugada com a cozinha. E tinha uma irmã menos barulhenta, de estudo, na qual tentei seguir alguma lição do mestre. Lamento, mas além da experiência humana, musicalmente não fui adiante no meio dos pratos e tambores.

A terceira vez que vi o documentário foi na casa do Toicinho e da Rocío, em dvd, sentado numa poltrona no quarto deles. Isso uns 6 anos depois do Ribeirão da Ilha. Assisti ouvindo os comentários do protagonista ao vivo. Situação engraçada de viver. Toicinho comentando Toicinho. Dando risada, lembrando de mais alguma coisa.

A vida é uma maluquice. A chave do hospício está do lado de fora.


%d blogueiros gostam disto: