Show de lançamento do CD Narrativas de Catarina dia 30 de abril (quinta)

29/04/2009

Segundo o texto da Vanessa FJ:

O Narrativas de Catarina é um projeto musical que percorreu parte do Estado, com apresentações em espaços alternativos, com intuito de trazer ao conhecimento do público catarinense o trabalho de músicos do próprio Estado, pouco conhecido até então. Com um recital de piano e voz, Ive Luna, cantora do grupo Cravo-da-Terra, e Carla Pronsato, resgatam canções que te permitem viajar no tempo, e lembrar daquelas narrativas que existiam em disquinhos de histórias.

A Ive conta que foi buscar inspiração nas suas memórias de infância. “Desde criança sempre gostei muito de ouvir as canções do Chico Buarque que contavam histórias, como Geni, Minha História, coisas assim. A Nara Leão também interpretava várias, como a Estrada e o Violeiro, de Sidney Miller. Eu adorava ficar ouvindo… O pessoal da minha idade cresceu ouvindo os disquinhos. Eram o máximo, muito bem orquestrados. A gente ainda sentava pra ouvir histórias”.

Narrativas de Catarina vai bem por aí. A Ive conta histórias (voz e flauta) junto com a Carla (piano) e você dá aquela viajada no tempo. As músicas que compõem o show, um total de 12, foram escolhidas depois de uma vasta pesquisa entre compositores do Estado. Ao longo dos meses, foram aparecendo músicas muito diferentes e nem todas narravam fatos, mas descreviam cenas e ações, ou representavam a fala de uma personagem. O processo de seleção buscou uma unidade para o trabalho, que segundo ela, tinha em mente um repertório que representasse a fala de todo mundo da cidade, e não de um grupo exclusivo, ou de um grupo que faz música parecida com a que ela faz. “É claro que seria mais fácil interpretá-las se tivesse sido assim. Mas a pesquisa perderia o sentido”.

A intenção era reunir a composição de músicos contemporâneos de Florianópolis que não têm espaço na mídia radiofônica e, por isso, não têm seus trabalhos reconhecidos pelo público. “Penso sempre que precisamos dar testemunho do que vemos e ouvimos perto de nós”, afirma.

A Ive entende que as narrativas representam a memória do povo, guardada nas crônicas ancestrais, nos rituais e nos contos folclóricos. Lembra que as histórias de todas as nações que surgiram antes da escrita, se sustentaram, principalmente, por ter havido as narrativas orais. Assim, as narrativas mantêm sua função de contar histórias de uma nação, transmitindo o legado daqueles que viveram antes. “Cabe a nós a tarefa de continuar a tecer o fio”.

As 12 composições

Terno de Reis – domínio público
Disse-disse – Sìlvio Mansani
O nascimento – Neno Miranda
Último canto de Anita para Garibaldi – Emílio Pagotto
Nossa Barulheira – Gazu (Dazaranha)
Polyana – Tony
Festa pra Cascaes –Denise de Castro
O Navegador – Márcio da Vila (Tijuqueira)
Martinho –Ive Luna
A fábula e o mar – Jefferson Bittencurt
Milonga – Marcelo Mello
Clara Canção – Luiz Gustavo Zago

______________

Ive Luna – flauta
Carla Pronsato – piano
Rodrigo Paiva – bateria

SESC Prainha – Travessa Syriaco Atherino, número 100, no Centro de Floripa.

30/4/2009, às 21:00h

O ingresso é gratuito.

http://www.overmundo.com.br/overblog/narrativas-de-catarina

Informações: (48) 3229-2208

Anúncios

Floripa Instrumental no Ribeirão da Ilha, de 30 de abril a 03 de maio

29/04/2009
para ampliar, clique na imagem

para ampliar, clique na imagem

A programação inclui Naná Vasconcelos, Alessandro Kramer, Trio Madeira Brasil, Arismar do Espírito Santo, Yamandú Costa, Rio Vermelho Quarteto e Banda da Lapa do Ribeirão, além do Cássio Moura que, junto com Arnou de Melo e Mauro Borghezan como anfitriões, vai agitar a cena todas as noites com jam sessions.

A melhor parte é que é tudo de graça.

Para saber detalhes, é só visitar a nota que postei na agenda do Overmundo, AQUI.


Sistema de Animação ganha prêmio FILME LIVRE!

28/04/2009
clique na imagem para acessar o site do documentário

clique na imagem para acessar o site do documentário

O documentário que retrata Toicinho Batera (Lourival José Galliani), dirigido por Guilherme Ledoux e Alan Langdon, acumulou anteontem (dia 26 de abril) mais um prêmio. E o Toicinho ganhou o prêmio de melhor personagem. Não conheço os competidores, mas aposto que o resultado foi justíssimo.

Leia entrevista dos diretores Guilherme Ledoux e Alan Langdon.

O texto do site da Mostra do Filme Livre 2009:

“Premiados na MFL 2009

Na noite de domingo, 26 de abril, numa lotada sala de cinema do CCBB Rio, aconteceu a sessão premiada da oitava edição da Mostra do Filme Livre. Na categoria FILME LIVRE!, focada em filmes realizados sem apoio estatal direto, o grande destaque na definição do júri foi o longa-metragem “SISTEMA DE ANIMAÇÃO”, de Alan Langdon e Guilherme Ledoux, de Santa Catarina, pois:

“As pessoas são mais importantes que o cinema”. Essa frase de John Cassavetes justifica o prêmio dado não só ao filme, Sistema de Animação, mas também ao personagem principal (…). Com uma estrutura simples e dinâmica o filme cativa não só pelo carisma de Lourival, mas especialmente por sua postura marginal, íntegra e autêntica com relação à indústria cultural e ao mercado das artes. Um artista livre, um filme livre, uma história de amor livre. Uma ode à loucura e à liberdade genuína dos loucos.” (Gabriel Sanna, júri da MFL 2009)

e porque “com o dito boom do documentário no Brasil, temos assistido a uma proliferação de filmes sobre os assuntos mais diversos. Mas quantos deles guardamos no espírito quando saímos da sala? Quantos deles podem se orgulhar de revelar de fato algo do mundo com graça e propriedade? E quantos deles são capazes de realmente compreender seus personagens e deixar a imagem fundir-se a ele e a seu mundo? Sistema de Animação não é, portanto, um “documentário”, é um filme livre que passeia pelo universo mítico de Toicinho, este fantástico sujeito que revira o mundo diante de nós, durante os minutos que dura a projeção.” (Tatiana Monassa, júri da MFL 2009)

Assim, também foi concedido o prêmio especial do Júri para ´Toicinho`, personagem do filme ´Sistema de Animação`”

…………………………..

Fico muito contente ao saber do prêmio.

Conheço o Toicinho há cerca de 8, 9 anos, e acompanhei algumas das mudanças que a vida dele passou nos últimos tempos. A pessoa retratada no documentário é fenomenal, mas o Toicinho em pessoa é um documentário a cada cinco minutos de convivência.

Sistema de Animação é o produto final extraído de mais de 40 horas de material bruto. O processo de edição deve ter sido longo e trabalhoso. Lembro de ter cruzado com o Guilherme Ledoux e batido papo no ônibus, há uns quatro anos, e o filme estava em processo. Aliás, vale salientar que o vínculo afetivo com o Toicinho, que facilitou enormemente as coisas, partiu do Ledoux. Alan Langdon, como amigo dele e artista dedicado ao audiovisual, entrou como parceiro no projeto. Que aconteceu de maneira pouco burocrática. Os caras fizeram o filme do jeito que queriam. Ficou pronto em outubro de 2008.

Assisti à pré-estréia e virei fã confesso do Sistema de Animação. Depois fui ao lançamento também, que teve apresentação dos diretores e do Toicinho, shows ao final (com Nenê entre os músicos) e confraternização num bar pra encerrar a noite. Que pra mim culminou na carona até a casa do Toicinho. Acabei dormindo no quarto dos fundos lá. Não era a primeira vez que eu acabava pernoitando na casa dele. A primeira foi na casa do Ribeirão da Ilha ainda, em que a energia elétrica funcionava, coerente com a profissão do morador, a bateria. Mas essa de carro. A outra ocupava a sala conjugada com a cozinha. E tinha uma irmã menos barulhenta, de estudo, na qual tentei seguir alguma lição do mestre. Lamento, mas além da experiência humana, musicalmente não fui adiante no meio dos pratos e tambores.

A terceira vez que vi o documentário foi na casa do Toicinho e da Rocío, em dvd, sentado numa poltrona no quarto deles. Isso uns 6 anos depois do Ribeirão da Ilha. Assisti ouvindo os comentários do protagonista ao vivo. Situação engraçada de viver. Toicinho comentando Toicinho. Dando risada, lembrando de mais alguma coisa.

A vida é uma maluquice. A chave do hospício está do lado de fora.


Ainda dá tempo de fazer oficina com Naná Vasconcelos no Floripa Instrumental

25/04/2009
fotografia de Paulo Pereira

fotografia de Paulo Pereira

Para se inscrever é necessário mandar e-mail para floriano.13@gmail.com

Os dados solicitados são RG, nome e telefone para contato.

A oficina (ou o workshop) acontece no dia 29 de abril.

….

Atualização: quem tiver participado do workshop pode deixar comentário contando como foi a experiência.


Mostra Internacional Cinema e Religião em Floripa

25/04/2009

Cruzes da Capela São Sebastião (foto: Felipe Obrer)

Numa cidade em que pipocam reclamações sobre a cena cultural, vale prestigiar eventos que dão espaço à diversidade, como a Mostra Internacional de Cinema e Religião, que traz para Florianópolis parte da sétima edição de “Olhares Sobre o Sagrado”.

Para conferir a programação completa, as sinopses dos filmes e um texto do curador da mostra, CLIQUE AQUI


Chacal e Sérgio Vaz passam por Floripa

25/04/2009
Chacal à esquerda, de pernas cruzadas, Sérgio Vaz à Direita, de braços cruzados. Ambos estavam com a língua redonda.

Chacal à esquerda, Sérgio Vaz à direita

Ontem à noite (sexta-feira, dia 24 de abril) assisti a uma mesa redonda sobre poesia periférica, dentro da programação do Folias da Fala, no SESC.

Foi muito estimulante perceber, depois de um bom tempo, a poesia como algo vivo, dinâmico, flexível, que gera contato. E contato, como dizia um velho sábio, vem a ser a apreciação das diferenças.

Conheci um pouco do trabalho desenvolvido na Cooperifa, pelo Sérgio e seus aliados.

Ouvi, do próprio Chacal, que coordena há anos o CEP 20.000 e toca outros projetos, a Ópera de pássaros, que já conhecia mas redescobri na voz ao vivo ao pé do ouvido:

“a objetividade da fotografia
é uma falácia

erram os que acham que ela retrata o real

o que há
é que quando o fotógrafo diz
“olha o passarinho”
uma ave de asas oblongas
sai de dentro do olho da câmera
com um embornal de pinceizinhos
e uma paleta de cores

sobrevoa a cabeça do fotógrafo
sobrevoa a cabeça do fotógrafo
e pousa sobre seu ombro esquerdo

de lá, pinta a cena

em suma: a fotografia é uma ópera de pássaros”


Maciço tem maratona de exibições gratuitas em Floripa

21/04/2009

antenas

Confira a programação na agenda do Overmundo.

Maciço é um documentário contemporâneo que mostra a realidade paradoxal e periférica dos morros do centro da cidade que se chamava Desterro. Leia


%d blogueiros gostam disto: